O Reflexo

A menina era problema. Ninguém mais sabia o que fazer. Quinze anos apenas. Na época estava suspensa das aulas, envolvida com umas pessoas suspeitas. Diziam que andava fumando maconha às escondidas, dentre outros entorpecentes mais pesados. Diziam de tudo pelo bairro. Logo logo aparece prenha, diziam uns. Ou morta, sentenciavam outros. No bairro todos sabiam… Continue lendo O Reflexo

Ferruge

Lembra do Ferruge, mano? Trombei ele ano passado. Ou foi retrasado, não me lembro direito quando foi. Sei que fazia um sol desgraçado: o calor do asfalto faltava derreter a botina. E ainda subir tudo aquilo com aquela bicicleta arrombada. Porra, vai se fuder! Época difícil do caralho! Aí o Ferruge surge do nada, tava… Continue lendo Ferruge

Resnais e Hitchcock, Apontamentos sobre Cinema e Viagem no Tempo

Han Shuo Partindo da aproximação de dois filmes, Eu Te Amo, eu te amo, de Resnais, filme de 1968 e Vertigo, ou Um corpo que Cai, de Hitchcock, filme de 1958, pretendo levantar alguns apontamentos sobre a viagem no tempo e como ela se dá por meio desses dois filmes, tentando demorar em algumas questões… Continue lendo Resnais e Hitchcock, Apontamentos sobre Cinema e Viagem no Tempo

O Demônio dos Outros

I Um dia Dária, a administradora de uma pequena empresa de limpeza de obras situada na última rua do bairro B., chegou mais cedo no trabalho e surpreendeu o Pastor jogando sal em todo o galpão. Esse Pastor era um rapaz de uns 22 anos, magro, com uma face sofrida, envelhecida, com trejeitos que faziam… Continue lendo O Demônio dos Outros

Helena

I A professora escreve no quadro negro enquanto comenta sobre as provas, a sala está totalmente dispersa. Alguns falam baixo entre si, outros mexem no celular, o resto dorme. A professora, uma mulher de meia-idade e de estatura baixa e cabelos encaracolados escuros, pede silêncio sem se virar, o texto que escreve no quadro negro… Continue lendo Helena

A Mulher do Maranhão

Vem cá, Maranhão, sente aqui! Só se me pagar uma. Cê já tá bêbado? Tô nada, vou fazer um quatro, ó… - Maranhão tentou se equilibrar numa das pernas e quase caiu: no reflexo alterado pela bebida tentou se apoiou na mesa e quase levou toda bebida ao chão. O pessoal passava mal de tanto… Continue lendo A Mulher do Maranhão

A Morte do Bookmaker Chinês

Os filmes de Cassavetes exigem um esforço, um deslocamento, um trabalho, porque temos de lidar com terrenos pantanosos, irregulares, íngremes. Não é entretenimento, é trabalho, é esforço, é lidar com a inquietude em duas vias: uma que acompanha o personagem e que de imediato se desdobra no espectador. Em A Morte do Bookmaker Chinês nos… Continue lendo A Morte do Bookmaker Chinês