A Reinvenção do Mundo pelos Sons

Criar é um troço muito louco.

Tudo começa com a música e se transforma num monte de coisa. Sinto que se não fosse pela música os demais encontros não seriam possíveis.

Penso em música o tempo todo, e parece que quero criar música por outros meios, com outros materiais, por vias diversas, e vê-la se manifestar ali, onde seria impossível a sua manifestação, e ouví-la quando na verdade a predominância é a de outro sentido. Quase como um fiel que cria as condições para que sua entidade favorita possa surgir, invento altares onde não há igreja, ou a menor possibilidade de haver santuários, e ali escrevo missais sem saber nada de notas musicais e mesmo assim as notas estão ali, em perfeita correspondência com os sons, e aplico aos outros trabalhos, como se houvesse criado o mais seguro dos alicerces para inventar moradas.

Saí do SENAI com 16 anos e arrumei meu primeiro emprego numa metalúrgica que não dialogava em nada com o que aprendera naquela escola técnica; trabalhei por dois meses e comprei meu primeiro walkman e logo fui demitido. Lembro que era um Aiwa, com controle de graves, fones confortáveis, e econômico, em se tratando de pilhas. Dali por diante nunca mais andei sem nada nos ouvidos. E em casa ninguém mais reclamaria do que eu queria ouvir: havia encontrado um meio de reinventar a minha individualidade!

Carregar a música consigo, colocar ela pra acompanhar seus olhos enquanto enxergam, e a sua compreensão enquanto se desdobra, adornar sua solidão, ou potencializar suas alegrias, a música sim é uma operação mágica, que modifica sua relação com tudo, transformando o que pode ser transformado enquanto estiver presente.

Criar é uma doidera, penso isso porque a minha vontade de invenção vem dos sons que escuto, e eu queria explicar as coisas pelos sons, pelas peças musicais que estiveram presentes antes durante e depois de algo ter sido inventado. Me perco quando não posso recorrer à música… até este texto mesmo, que está sendo escrito, é movido pelas músicas que se atropelam numa setlist caótica.

Pra mim há uma mistura, uma miscigenação no fazer artístico, comandada pela música, apontando o rumo a seguir, como um general enlouquecido pela vastidão da Terra e que de tão fiel ao que se perde de vista ele consegue manter os passos rígidos e alegres enquanto guia todos os outros fazeres artísticos.

Penso muito nessas coisas até que uma ou outra música silencie tudo, e como um narrador místico conduza meus olhos resinificando o meu derredor, como uma droga, uma anódino, e um combustível.

A música foi a primeira das artes a ter surgido no mundo!

Pelo menos no meu mundo.

E, portando, aqui ela reina!

texto de Agosto de 2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s