O Aprendiz de Feiticeiro

I Segura a onda, moleque. Mas a feira tá pra acabar, anda logo com isso. O irmão mais novo fazia um gesto irritado com a mão esquerda enquanto mantinha a outra no bolso da bermuda e os olhos grudados na porta do bar.  E agora? Posso ir? Ainda não, calma! Paulinho não compreendia aquele demorado… Continue lendo O Aprendiz de Feiticeiro

As Mãos Negativas, de Marguerite Duras

As Mãos Negativas de Marguerite Duras, curta que seria facilmente reconhecido como um filme ensaio, filme de 1979, é um daquelas obras que provocam um sentimento perturbador, algo que sempre surge diante desse cinema de investigação, de experimentação, um cinema que é aberto, livre, que se debruça sobre o mistério, sem querer domá-lo; cinema que… Continue lendo As Mãos Negativas, de Marguerite Duras

Muco, ou Um Pedaço do Inferno

A viatura subia preguiçosamente a avenida principal. Passava do meio-dia. Porra, comi um bocado! Mas que calor, vai tomar no cu! Se pudesse eu tirava esse cinto… falou de uma só vez o que estava no banco do carona. O do volante não gostava daquele jeito de falar, talvez por isso mantinha-se em silêncio na… Continue lendo Muco, ou Um Pedaço do Inferno

Um Homem Santo

Depois de um dia inteiro gravando CDs pirata num quarto pequeno e sem ventilação saíamos na tentativa de vender uma boa parte daquele material. Mas sempre que conseguíamos uma certa quantia encerrávamos o expediente, comprávamos um vinho ou outra bebida mais pesada para ser misturada com outra bebida e então ligávamos pro Carlos, que não… Continue lendo Um Homem Santo

Vermelha, ou, Notícias do Subterrâneo

O objetivo de quem se mete a fazer cinema não é tão diferente dos objetivos despertados noutros ofícios: encontrar na sua arte um lugar onde se assentar, construir sua casa, desenvolver seu trabalho, dar sentido à sua vida, se afirmar diante de um mundo caótico: sou cineasta! E então colher os frutos de seu trampo.… Continue lendo Vermelha, ou, Notícias do Subterrâneo

Breve nota sobre Temporada e a complexidade do banal

Temporada, André Novais, 2019 Juliana senta-se ao lado do amigo que está olhando o lago, ela coloca as sacolas de compra no chão, se ajeita ali, parece manhã de sábado. O amigo fala de seus problemas, Juliana escuta como se escutasse a si e a seus problemas. Ela se dá conta de algo ali, algo… Continue lendo Breve nota sobre Temporada e a complexidade do banal