Depois da Batalha

Os gritos do pátio foram se deslocando às pressas pra rua. Porrada! Porrada! Era uma platéia composta por meninos e meninas de diversas turmas. Era um acontecimento de rotina que nunca perdia seu encanto. Passava do meio dia. Os professores saiam pelo outro lado, tomando o quarteirão de lá, que dava pra avenida principal. Eles... Continuar Lendo →

Tubarões de Água Doce

Maurílio, também conhecido como Magrão, abriu a janela do quarto sem nenhuma pressa. Anda logo, cara. Era André, o pedreiro. Magrão esfregou os olhos, passou depois a mão na cabeça e só então perguntou o que ele queria.  Tem um trabalho ali, tô precisando de ajuda, cê tá afim? Magrão precisava de grana, mas sabia... Continuar Lendo →

O Reflexo

A menina era problema. Ninguém mais sabia o que fazer. Quinze anos apenas. Na época estava suspensa das aulas, envolvida com umas pessoas suspeitas. Diziam que andava fumando maconha às escondidas, dentre outros entorpecentes mais pesados. Diziam de tudo pelo bairro. Logo logo aparece prenha, diziam uns. Ou morta, sentenciavam outros. No bairro todos sabiam... Continuar Lendo →

Ferruge

Lembra do Ferruge, mano? Trombei ele ano passado. Ou foi retrasado, não me lembro direito quando foi. Sei que fazia um sol desgraçado: o calor do asfalto faltava derreter a botina. E ainda subir tudo aquilo com aquela bicicleta arrombada. Porra, vai se fuder! Época difícil do caralho! Aí o Ferruge surge do nada, tava... Continuar Lendo →

O Demônio dos Outros

I Um dia Dária, a administradora de uma pequena empresa de limpeza de obras situada na última rua do bairro B., chegou mais cedo no trabalho e surpreendeu o Pastor jogando sal em todo o galpão. Esse Pastor era um rapaz de uns 22 anos, magro, com uma face sofrida, envelhecida, com trejeitos que faziam... Continuar Lendo →

Helena

I A professora escreve no quadro negro enquanto comenta sobre as provas, a sala está totalmente dispersa. Alguns falam baixo entre si, outros mexem no celular, o resto dorme. A professora, uma mulher de meia-idade e de estatura baixa e cabelos encaracolados escuros, pede silêncio sem se virar, o texto que escreve no quadro negro... Continuar Lendo →

A Mulher do Maranhão

Vem cá, Maranhão, sente aqui! Só se me pagar uma. Cê já tá bêbado? Tô nada, vou fazer um quatro, ó… - Maranhão tentou se equilibrar numa das pernas e quase caiu: no reflexo alterado pela bebida tentou se apoiou na mesa e quase levou toda bebida ao chão. O pessoal passava mal de tanto... Continuar Lendo →

O Aprendiz de Feiticeiro

I Segura a onda, moleque. Mas a feira tá pra acabar, anda logo com isso. O irmão mais novo fazia um gesto irritado com a mão esquerda enquanto mantinha a outra no bolso da bermuda e os olhos grudados na porta do bar.  E agora? Posso ir? Ainda não, calma! Paulinho não compreendia aquele demorado... Continuar Lendo →

Muco, ou Um Pedaço do Inferno

A viatura subia preguiçosamente a avenida principal. Passava do meio-dia. Porra, comi um bocado! Mas que calor, vai tomar no cu! Se pudesse eu tirava esse cinto… falou de uma só vez o que estava no banco do carona. O do volante não gostava daquele jeito de falar, talvez por isso mantinha-se em silêncio na... Continuar Lendo →

Um Homem Santo

Depois de um dia inteiro gravando CDs pirata num quarto pequeno e sem ventilação saíamos na tentativa de vender uma boa parte daquele material. Mas sempre que conseguíamos uma certa quantia encerrávamos o expediente, comprávamos um vinho ou outra bebida mais pesada para ser misturada com outra bebida e então ligávamos pro Carlos, que não... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑